HQs

Em 2020 consegui juntar a Sueli Mendes e a Natalia Marques para dar o pontapé inicial na minha mini-série Monstrum. Mais uma HQ que consegui financiar e publicar de forma independente com ajuda do Catarse. Infelizmente a Natalia não permanesceu nas cores mas a Fabi Marques chegou para substituir a partir do segundo capítulo.

Em 2017 fui convidado a escrever roteiros curtos de terror para uma coletânea que acabou não vingando. Então decidi juntar mais dois roteiros aos que já havia escrito e assim nasceu UNAY, uma coletânea de quatro histórias de terror (10 páginas cada) e contei com os desenhistas: Daniel Araujo, João Miranda, Erik Judson e Crow Kid.

Em 2013 publiquei a HQ “A Carta“, desenhada por Rodrigo Martins, pela Editora Devaneio.

Trata-se de uma ficção histórica. Uma aventura em meio à Guerra do Paraguai com 51 páginas voltada ao público juvenil.

Leia mais sobre esta HQ aqui.

Antes disso participei de outros dois projetos com o Rodrigo em 2003.

A Mortífera Maldição da Múmia é a adaptação de um conto homônimo de aventura e viagens no tempo do escritor Carlos Orsi e foi, nos idos de 2004 a primeira HQ online do Brasil a fazer uso do conceito de infinite canvas do Scott Mccloud. Leia Aqui.

O Investigador foi uma história criada por mim e pelo Rodrigo onde mais uma vez eu assumi o roteiro e ele cuidou da arte das 32 páginas.
Clique aqui para ler esta HQ no Tapas.

Em 2009 escrevi “Camaelitas“, e convidei o desenhista Adauto Silva para cuidar da arte das 22 páginas.


Camaelistas é apenas o teaser deste grupo de “x-men da inquisição”, sim algo bem controverso em que pretendo me aprofundar mais em uma série. Aqui você poderá ler este teaser na íntegra no Tapas.

Atualmente estou desenvolvendo novos roteiros que publicarei em breve.

Sobre mim:

10399432_542605159184557_8292637603987426626_n

Olá, sou o Carlos Felipe Figueiras e sou escritor / roteirista.

Nascido em 1978 no Rio de Janeiro e formado em comunicação visual pela UFRJ.

Já trabalhei em diversas áreas fora da formação acadêmica, o que ao menos rendeu experiências interessantes.

Written by on Jan 11,2009 in: |

5 Pitacos »

  • Como muitas coisas. Mas o quanto mais evidenciarmos e propusermos soluções, mais as coisas caminharão para algo melhor.
    Algo a se pensar nestas eleições.

  • Mercia says:

    Olá,Figueiras, tenho a informar-lhe que as coisas continuam no mesmo estado. Ou seja o povo da CEF continua sendo displiscente no atendimento não se importando com seus clientes. E falo por experência própria. Ainda assim vale a pena criticar. Continue, felicidades.

  • O revoltante não é nem a burocracia, porque o se você seguisse o passo-a-passo e a coisa andasse sem problemas, não haveria muito do que reclamar. O problema é que fazem o joguinho de nunca te explicar direito o que deve ser feito e como as coisas acontecem, até porque eles mesmos não sabem muitas vezes. E é isso que irrita e te obriga a ficar indo e vindo até começar a gritar com as pessoas.
    Nesta postagem busquei dar um enfoque sarcástico pra desopilar.
    Que bom que gostou. Comente mais vezes. 🙂

  • Dani says:

    cara, muito legal esse textinho sobre ”como sobreviver ao desemprego no Brasil”, mas é isso mesmo, é tnta burocracia q da nojo.
    valeu, muito bom mesmo, me diverti a valer!

  • Mario Dias says:

    Bela crítica ao Watchmen. Fui na estreia e fiquei maravilhado com o que o filme proporcionou. Acredito que a escolha de Manhattan como vilão tenha algo de poético, algo como : o que aconteceria caso uma criatura que desconhece ou perde a humanidade poderia fazer conosco caso tivesse grandes poderes e não tivesse as mesmas necessidades que nos. Gostaria que Moloch tivesse aparecido mais, tanto pelo seu significado mitológico ( é um tipo de sacrifício pelo fogo ) quanto pelo elo de ligação que representa (um outro significado mitologico) entre os herois ( porque o comediante se sentia atraido por ele? porque rorscharch o visitou tanto permitindo assim que fosse estabelecido um padrão ao seu comportamento caótico). Senti falta da explicação da mascara (o relato do caso de kit genovese que realmente ocorreu ilustraria os motivos dos delirios messianicos,das idiossincrasias e a furia de roscharch com a sociedade), Contudo adorei o relato do sequestro da menininha (o ator que interpretou o sequestradr poderia ser mais repulsivo mas isso é preciosismo).

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL


Deixe seu pitaco

Powered by WordPress | Theme: Aeros 2.0 by TheBuckmaker.com