Oct
26
2009
0

Gente

Share
Oct
18
2009
0

Punições

Share
Oct
12
2009
2

Inútil, a gente somos…

Share
Oct
05
2009
1

Fantasia vs Realidade

No código nacional de trânsito o uso da buzina é determinado da seguinte forma:

“Art. 41. O condutor de veículo só poderá fazer uso de buzina, desde que em toque breve, nas seguintes situações:

I – para fazer as advertências necessárias a fim de evitar acidentes;

II – fora das áreas urbanas, quando for conveniente advertir a um condutor que se tem o propósito de ultrapassá-lo.”

Mas a carência de barulho que algumas pessoas sentem é demais para aguardar a situação adequada para fazer soar seu brinquedinho.

Sou especialmente averso às buzinas no centro do volante, além da grande chance de serem disparadas inadvertidamente em uma manobra, estimulam a buzinação frequente, pois são atraentes alvos de pancadas em momentos de nervosismo no trânsito. Em alguns carros mais recentes o centro dos volantes são mais suaves e macias para amortecer os golpes.

Podiamos alterar algumas coisas no trânsito para satisfazer esta carência sonora, sem a necessidade do uso da buzina.

Como semáforos com buzinas embutidas que soem sempre que o sinal abrir e fiquem mais estridentes quando o mesmo ficar amarelo.

Contudo isso tiraria certamente o prazer dos buzinadores em atenciosamente alertar os demais motoristas de que o sinal abriu.

Deve ter algo a ver como nossa educação.

Porque a sua inducação, a sua inducação é ouvi muito redebenze!

"O nosso negócio é barulho!"

Share
Sep
28
2009
6

Mensagem Subliminar

Share
Sep
21
2009
0

Ancião #3

Share
Sep
10
2009
0

Ancião #2

Share
Sep
03
2009
1

Ancião #1

Share
Aug
27
2009
0

Para quem precisa

Share
Aug
25
2009
0

PROCON

via O hermenauta:

Servir bem é sempre um problema.

Tom Connellan escreveu um livro chamado “Nos bastidores da Disney”, que apresenta regras para tornar uma empresa bem sucedida e usa como exemplo a Disney, mais precisamente o cuidado que existe nos parques dela, com o tratamento ao público e aos clientes em geral.

E logo a primeira regra do livro é: “Concorrente é qualquer empresa com a qual o cliente o compara.”

Então, não basta ser melhor apenas que os seus concorrentes diretos. É preciso ser bom e eficiente em todos os aspectos.

No caso da Disney, a lógica seria pensar que ela deve se preocupar apenas em ter um belo parque, com brinquedos em bom estado e funcionários felizes e eficientes. Mas existem outras áreas da empresa, não diretamente ligadas aos parques, como o atendimento telefônico aos clientes. Quase toda a empresa hoje em dia tem um serviço de atendimento ao cliente. Se você liga pra uma empresa e é bem atendido, não vai esperar menos de outra empresa, mesmo que uma nada tenha a ver com a outra.

A comparação é instintiva, e queira ou não, trata-se de um serviço prestado por ambas. Logo, mesmo que seu principal produto seja uma maravilha, uma empresa pode vir a perder clientes ou sujar sua imagem em função de outros serviços secundários.

Puxando a sardinha para algo mais dentro do meu ramo, isto vale também para o site de internet de qualquer empresa. O cliente quer poder entrar e encontrar as informações que busca sobre os serviços que a empresa oferece, não apenas ver um bando de propaganda sobre a mesma. Este cliente visita vários outros sites diariamente e vai comparar o seu a outros que são bem organizados e eficientes.

Infelizmente a maioria das empresas, ao menos aqui no Brasil, têm um pacto:

w

O cliente fica sem referencial de bom serviço, é tudo a mesma merda e por isso, raramente cobra melhorias.

Sei inclusive de pessoas que já trabalharam em lojinhas nos parques da Disney, lá a ordem era deixar o cliente satisfeito. Se o sujeito comprou algo, saiu da loja e voltou com o produto quebrado, não discuta! Imediatamente pegue um igual e dê a ele. A lógica deles é tornar a visita aos parques o mais fantástica possível. Discutir com um cliente até descobrir se o produto se quebrou acidentalmente, já estava quebrado, ou se ele quebrou de propósito é ruim não apenas para aquele cliente, mas para todos os demais que presenciarem o episódio.

Talvez seja uma metodologia radical, aplicável somente em lugares especiais, como um parque de diversões e por empresas com cacife como a Disney. Até onde sei a Coca Cola paga à Disney para que seus refigerantes sejam servidos nos parques, apesar do visitante pagar pelo refrigerante.

Mas nada justifica a Via Crucis que temos de percorrer para sermos ressarcidos por falhas alheias.

Não se preocupem, pois eu e o meu mascote tecladito, costumamos responder com eficiência a todos nossos leitores.

Não se preocupem, pois eu e o meu mascote tecladito, costumamos responder com eficiência a todos nossos leitores.

Share

Powered by WordPress | Theme: Aeros 2.0 by TheBuckmaker.com